Saúde Esportiva - Saúde, Nutrição, Estética, Beleza

Vitamina A na Alimentação

Um estudo, sob a orientação da Dra. Andréa Ramalho, doutora em Ciências de Saúde Pública, professora titular e diretora do Instituto da Nutrição da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), comprovou que a associação entre baixos níveis de vitamina A e o excesso de peso em escolares, aumenta em cerca de 6 vezes o risco do aparecimento de doenças cardíacas, em comparação com jovens em idade escolar considerados saudáveis. A pesquisa é parte integrante da tese de Mestrado da Nutricionista Luciane Barboza de Souza, que foi apresentada no Congresso Brasileiro de Cardiologia em setembro do ano passado.

Segundo a Dra. Andréa Ramalho, "a alimentação equilibrada, principalmente durante a infância, deve ser cada vez mais levada a sério, pois pode servir como um fator de proteção contra as doenças crônico-degenerativas", afirma.

Estudos recentes apontam um aumento da obesidade na população infanto-juvenil, inclusive já sendo verificado que crianças obesas começam a apresentar complicações, como as dislipidemias (problemas de natureza cardiovascular e endócrina, que elevam o colesterol total e resultam em elevado risco de aterosclerose) e o estresse oxidativo (acúmulo de radicais livres, substâncias que danificam as células).

O ESTUDO

A pesquisa avaliou 432 crianças e adolescentes com idade entre 7 e 17 anos, residentes em uma área carente (zona norte) do município do Rio de Janeiro. Destes, 52,1% eram do sexo masculino e 47,9 % do sexo feminino. No geral, foi detectada a carência de vitamina A em cerca de 12%, e de carotenóides em 50,9%. Os carotenóides, uma família de compostos abundantemente encontrados na natureza, responsáveis pela cor da maioria das frutas e vegetais, representa uma outra maneira de ingestão da vitamina A. Os carotenóides têm sido assunto de interesse da comunidade científica há muitos anos, pois mesmo aqueles que não se convertem em vitamina A no organismo, permanecem como substância antioxidante.

O estudo demonstrou ainda que, 15,2% das crianças e adolescentes estavam com sobrepeso e 13,6% em estado de desnutrição. Também concluiu que quanto mais obeso era o pesquisado, menor era o nível de carotenóides em seu organismo.

"A associação encontrada entre o nível baixo de carotenóides e a obesidade dos jovens em idade escolar, somada à carência de vitamina A observada no estudo representa um risco grande para o desenvolvimento de doença aterosclerótica. Tais resultados indicam que maior atenção deve ser destinada às ações de combate e prevenção à carência de vitamina A", completa a Dra. Andréa Ramalho.

VITAMINA A

Importante para o crescimento, visão, saúde dos ossos, pele, cabelo, sistema imunológico e saúde cardiovascular, a vitamina A pode ser encontrada nos seguintes alimentos: fígado, leite integral, manteiga, queijos e peixes gordurosos. Sua carência resulta no comprometimento do sistema imunológico, o que facilita o surgimento de outras doenças.

DESEMPENHO ESCOLAR

Outros estudos apontam que além do fator de prevenção a doenças crônico-degenerativas, a carência de vitamina A e carotenóides ainda seria responsável por atrapalhar o desenvolvimento intelectual, comprometendo sistemas imunológicos, provocando defeitos de nascença e levando cerca de 2 bilhões de pessoas no mundo a viverem em nível abaixo de seus potenciais físico e mental. "Incluir crianças e adolescentes em idade escolar nos programas de combate e prevenção de micronutrientes pode representar uma diminuição dos gastos com saúde e educação e, conseqüentemente, melhorar a qualidade de vida com reflexos na capacidade produtiva do país", completa a Dra. Andréa Ramalho.

Segundo relatório apresentado pela Unicef no ano passado, a falta de vitaminas e minerais básicos na dieta está danificando a saúde de um terço da população mundial e atrasando o desenvolvimento econômico de praticamente todo país do hemisfério Sul. Só no Brasil, a falta de vitamina A, por exemplo, é responsável pela morte prematura de 20 mil crianças por ano. Ainda para a Unicef, 45% das crianças brasileiras com menos de cinco anos e 21% das mulheres entre 15 e 49 anos têm deficiência de ferro e, todos os anos, 280 mil crianças nascem com deficiência mental por falta de iodo.

Créditos: Andressa Scaldaferri - andressa@attachee.com.br
ATTACHÉE DE PRESSE COMUNICAÇÃO


Leitura adicional:
Vitaminas - Vitamina B, B1, B2, B12, D, C, K, A, E, beta-caroteno
Suplementos Alimentares - O que é suplemento alimentar
Suplementos para Bodybuilding - Suplemento para musculação



Patologias e Alimentação

Item Listeriose - O que é a infecção por Listeria

Item Prisão de ventre - O que é, causas, como prevenir

Item Colesterol alto em crianças

Item Saúde dos Ossos - Cálcio e Atividades Físicas

Item Diarréia

Item Salmonelose - Infecção por salmonella

Item Sal e hipertensão

Item Alergia e Intolerância Alimentar

Item Suplementos vitamínicos beneficiam o organismo

Item Osteoporose - Cálcio e Vitamina D

Item Alimentação saudável pode prevenir depressão na terceira idade

Item Iodo e Doenças de Tireóide
Item Alimentos, Massa Óssea e Osteoporose

Item Fitoestrógenos - Fitoquímicos para os Pulmões

Item Degeneração macular e catarata x luteína e a zeaxantina

Item Hiperatividade infantil e nutrição

Item Gripe - Declare guerra às vilãs do Inverno

Item Intoxicações Alimentares

Item Isotônicos para casos de diarréia

Item Salmonela

Item Farinha de manga e índices de glicemia

Item Alergia ao Glúten

Item Dor de cabeça e alimentação

Item Leite de soja, bom colesterol e doenças coronarianas

Item Síndrome do Olho Seco e Ômega 3

Item Ácido Úrico e Gota

Item Erva-mate contra aterosclerose

Item Vitamina A - Beta-caroteno - Riscos da Suplementação

Item Vitamina A na Alimentação

Item Chá Verde contra o Câncer


Saúde Esportiva - © 2007-2015 Helio Fontes - Política de privacidade
Email para contato